O apartheid sanitário como indício de uma democracia precária no Brasil, de Beatriz Lalli de Freitas

26/09/2021
Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on whatsapp

O saneamento básico é um dos direitos fundamentais garantidos pela constituição de 1988, pois está na interface de temas como a gestão hídrica, saúde pública, mercado financeiro, interesse e bem estar público no Brasil. Sendo um elo importante entre a vida política e social, existe uma relação direta entre saneamento e os índices de saúde, educação, desemprego e internação por doenças infecciosas relacionados a sua ausência, que em 2018 constaram 3 milhões de casos (Ministério da Saúde, 2020). Neste breve ensaio, procuro enfatizar que os direitos à água encanada, coleta de lixo e tratamento de esgoto vão ainda mais além na relevância socioeconômica nacional: configuram também determinantes essenciais para a compreensão da democracia no Brasil.

Resultante da ampliação da agenda neoliberal iniciada em 2016 com o impeachment da presidente Dilma, atualmente a aprovação de medidas de mercantilização da natureza comprovam o processo de desmonte do setor público (MASO, CALISTO, GALEB, 2020). A questão que se pretende invocar é que a universalização do saneamento é também uma questão de direitos humanos, que não pode ser contemplada pela ótica financeira, correndo o risco de ser incoerente no seu endereçamento. Desse ponto de vista, o acesso ao saneamento básico é, portanto, uma questão de ordem internacional, cobrada pela OCDE e pelas metas de Desenvolvimento sustentável da ONU, como um compromisso a ser alcançado por todos os estados membros, que incluem o Brasil (OCDE, 2015).

Atualmente, 85,8% dos brasileiros têm acesso a água encanada (IBGE, 2018). Ainda que não esteja longe da universalização do saneamento, o Brasil apresenta grandes disparidades regionais e números consideráveis de residências ainda não contempladas com este direito. Em 2018, o IBGE registrou pelo menos 57 milhões de residências sem acesso a rede de esgoto, 24 milhões sem água encanada e 15 milhões sem coleta de lixo. O principal problema que surge disso, é a conduta estatal que insiste em aprofundar a desigualdade existente neste setor crucial para o desenvolvimento nacional, contribuindo para o que alguns hoje chamam de apartheid sanitário. 

A lei 14.026/20 aprovada em julho de 2020, conhecida como o novo marco legal do saneamento propõe reformas na competência da Agência Nacional de Águas (ANA) e estabelece novas datas para o prazo da universalização de atendimento de 99% da população com água potável e 90% com coleta de lixo e tratamento de esgoto até 2033, — adicionando a possibilidade da extensão deste prazo em sete anos, até 2040–. Ao estabelecer condições ao acesso de recursos federais, readequação e migração aos novos padrões contratuais, a agência passa a assumir o papel da regulação de normas de referência para a universalização do saneamento. A partir disso, algumas prefeituras entendem que a proposta de lei viola diretamente os termos da constituição federal, que delega aos municípios a regulação, organização e prestação de serviços de interesse local para abordar o saneamento (ASSEMAE, 2020). Portanto, a preocupação que surge do novo marco legal é a de como a definição de recursos públicos e privados podem diminuir a eficiência da gestão das águas brasileiras (RIBEIRO, 2020). 

Os impactos desta aprovação podem ser, em grande medida, negativos para a população, quando consideramos o processo político que a antecede e envolve. Se analisarmos esta lei como uma consequência do comando de grupos econômicos transnacionais que expandem seus interesses para redefinir o mercado em meio a uma crise econômica, entendemos que esta estratégia está fundamentada no controle e privatização da água como um mercado de bacias hidrográficas. Neste sentido, considerando o Brasil como um país de grande riqueza hídrica, sendo casa de bacias como Amazonas e São Francisco e ainda detentor de grandes aquíferos como Guarani e Alter do Chão, a lei 14.026/20 transforma a água em um mercado ligado ao interesse estratégico de produção global, se desfazendo enquanto um patrimônio nacional e um direito básico. Fica evidente que o avanço da privatização da água, associado a políticas que negligenciam o patrimônio ambiental brasileiro, constitui-se não apenas como um elemento de organização do capital financeiro, mas também na desumanização deste direito nato. A lógica privada de gestão da natureza não permite que a totalidade da hidrografia seja entendida e endereçada, atendendo a questões ambientais como escassez e enchentes oriundas da má gestão das águas (MASO, CALISTO, GALEB, 2020).

Neste sentido, podemos usar o caso do novo marco legal do saneamento básico para entender o quão relevante é a participação popular nos processos decisórios (RIBEIRO, 2020). A aprovação da Lei expõe o quão insuficiente tem sido o engajamento e o interesse cidadãos em questões políticas, quando na verdade, esta tarefa é nada mais do que um dever cívico, por exigir e cobrar do estado, condições de vida dignas e bem-estar social. Ainda mais enfaticamente quando um projeto prevê o aumento de tarifas, mesmo sem  a confirmação de que todos receberão os benefícios desta iniciativa (MASO, CALISTO, GALEB, 2020). Da mesma forma, é dever e responsabilidade do Estado garanti-las. Os cidadãos devem exigir a garantia de espaços legítimos e efetivos de participação, através da saúde, educação e empregabilidade, pela implantação de políticas públicas transparentes, descentralizadas e abertas ao diálogo, que, em última instância, cooperam para o funcionamento democrático. Assim, a participação cidadã deve ir além da expressão de partidos e identidades políticas, e se adentrar na elaboração e implementação de políticas públicas a fim de que se possa permitir uma gestão que abarque de forma justa o potencial geográfico, econômico e humano brasileiros (RIBEIRO, 2020).

Por fim, entende-se que o saneamento básico pode atuar como unificador nacional de forma a tornar confortável o cotidiano brasileiro através da participação política, como também pode ser grande ponto de inflexão democrática, como mostra o exemplo do novo marco sanitário. A participação pública dos setores sociais auxilia na demanda para efetivação de ajustes e fiscalização da lei, além de evidenciar a natureza impetuosa e impulsiva desta aprovação, que tende a gerar desconforto jurídico e administrativo. Ao mesmo tempo, estas características da implementação do novo marco atribuem a ele incapacidade de promover o que promete: a universalização do acesso ao saneamento, e de cortesia, impopularidade. Portanto, é imprescindível entender a questão sanitária no Brasil aos olhos de processos políticos e as suas respostas a incentivos econômicos e jurídicos  internacionais.

Referências:

Anna Carolina Galeb, Dalila Calisto e Tchenna Maso (2020) – A sobrecarga de tarifas na vida do povo brasileiro. disponível em: ://diplomatique.org.br/a-sobrecarga-de-tarifas-na-vida-do-povo-brasileiro/

RIBEIRO, Luciana (2020): Mote para a vitimização ou para a autonomia? disponível em: https://diplomatique.org.br/mote-para-a-vitimizacao-ou-para-a-autonomia/

Associação nacional dos serviços municipais de saneamento – ASSEMAE (2020) http://www.assemae.org.br/noticias/item/6013-marco-legal-do-saneamento-e-inconstitucional-e-coage-municipios

Lei 14.026/20- disponível em  http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2020/lei/l14026.htm

Princípios da OCDE para governança da água (2015). Disponível em:   

 https://www.oecd.org/cfe/regionaldevelopment/OECD-Principles-Water-portuguese.pdf
Pesquisa Nacional de Saneamento Básico de 2017 (2020): https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101734.pdf

5 1 vote
Article Rating
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Gabriel Alegria dos S. Reis
25 dias atrás

Beatriz, vejo seu artigo como absolutamente essencial. Antes de tudo, creio ser vital uma perspectiva para a saúde que a busque compreender de maneira integral, levando em considerações fenômenos sociais, econômicos, ambientais e étnicos. Como você deixa muito claro, o processo de mercantilização da água no Brasil é também uma mercantilização da própria saúde dos brasileiros, relegando às dinâmicas do lucro e do mercado o desenvolvimento de infraestrutura essencial para o bem-estar e saúde de seções significativas da população. A garantia de saneamento básico, como bem sabemos, é elemento absolutamente central para a criação de um país saudável, e as sérias lacunas na garantia desse direito, no coração da endemia de doenças evitáveis entre as camadas mais pobres da população brasileira, além de fator que multiplica o penar de outros problemas de saúde. Com uma responsabilidade que traça com clareza à ratificação do Brasil ao Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, em 1992, são 30 anos de negligência circunscrita geográfica e racialmente.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin