Vacinação no Sul Global: analisando dois casos de sucesso, de Gabriel Alegria dos Santos Reis

15 novembro 2021

Vacinação no Sul Global: analisando dois casos de sucesso, de Gabriel Alegria dos Santos Reis

Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on whatsapp

Entre os estados membros da ONU, apenas 21 contam com mais de 70% de suas populações plenamente vacinadas contra o COVID-19 (PNUD, 2021a). Estes países têm um perfil bastante homogêneo: 18 estão classificados como tendo IDH muito alto, 16 tem PIB per capita acima dos US$25.000, 14 são membros da OCDE e 7 da União Europeia (PNUD, 2021b). Dois países nesta lista, entretanto, não se enquadram em nenhum dos critérios citados. Camboja e Butão, ambos países de IDH médio, PIB per capita baixo e limitada urbanização (PNUD, 2021a; PNUD, 2021b; Banco Mundial, 2021), encontraram enorme sucesso em seus programas vacinais, contando, respectivamente, com 78,03% e 72,56% de suas populações totalmente vacinadas (PNUD, 2021a). Sétimo e décimo-sexto membros da ONU com maior incidência vacinal, o próximo país de IDH médio em cobertura é somente o Marrocos, em distante 50º (PNUD, 2021a). É interessante, portanto, estudar como esses estados encontraram tamanho sucesso em seus programas vacinais, mesmo enfrentando inúmeros desafios.

Crucialmente, muito antes da aplicação de vacinas, os governos do Camboja e do Butão foram duros frente à pandemia. As medidas adotadas entre os dois países incluíram o fechamento de fronteiras; a suspensão certos serviços público e privados; quarentenas mandatórias para doentes e recém-chegados do exterior; lockdowns em regiões com alta nos casos; ampla testagem; e uma constante comunicação entre governo e cidadãos, a fim de reforçar a necessidade de certos cuidados e garantir acesso à informação segura e de qualidade (Drexler, 2021; Dorji e Prison, 2021; Dorjie e Tamang, 2021; Tatum, 2021; Chhengpor, 2021; Strangio, 2021; Nit et al., 2021). O controle da transmissão do vírus foi colocado no topo das prioridades políticas, alcançando-se resultados bastante positivos em termos numéricos e passando-se uma mensagem clara às populações. 

Essa postura resoluta se repetiu em dois momentos cruciais: na aquisição das vacinas e nos programas para aplica-las. O Primeiro Ministro cambojano, Hun Sen, escolheu cedo as vacinas chinesas Sinopharm e Sinovac, o que se mostrou acertado quando a China foi capaz de entregar rapidamente as 28,3 milhões de doses encomendadas, além de mais 6,3 milhões em doações bilaterais (Bridge, 2021; Hutt, 2021). Apesar de um orçamento limitado, o governo não hesitou em investir US$170 milhões nas encomendas chinesas, entrando cedo em uma fila que logo se congestionou (Hutt, 2021).

Com mais de 2,7 milhões em doações chinesas ainda a caminho, fica clara a relevância da política externa para a resolução de problemas domésticos. O maior receptor de doações vacinais chinesas, o Camboja passou os últimos anos investindo na relação com Beijing, tornando-se um de seus aliados regionais mais importantes – as doações vêm, naturalmente, como fruto dessa relação (Bridge, 2021; Hutt, 2021; Stragio, 2021). Em grau ainda mais intenso, quase todas as doses aplicadas no Butão são originárias de doações: são mais de 1.450.000 doses advindas da Índia, Dinamarca, China, Croácia, Bulgária e Estados Unidos – o último por meio da COVAX (Dorji e Tamang, 2021; UNICEF, 2021a; UNICEF, 2021c). Sem bons laços internacionais, a possibilidade de receber doações fica profundamente limitada.

Além disso, os dois governos distribuíram as doses recebidas de maneira efetiva. O Butão investiu em uma campanha com coordenação em multiníveis e respeitando os costumes budistas, hegemônicos no país. Teleconferências entre o governo central e líderes locais foram realizadas nos meses anteriores à data de vacinação, permitindo não só angariar dados preciosos para melhor coordenar a distribuição e aplicação de doses, mas também integrando-os plenamente ao planejamento, junto a oficiais de saúde distritais e profissionais de saúde das próprias comunidades, o que facilitou a aceitação da vacina entre as populações (Dorji e Tamang, 2021; Schiffling e Phelan, 2021).

No Camboja, o governo investiu em uma política dura e controversa, gerando inclusive críticas por parte da advocacy internacional. Diversas autoridades instituíram a necessidade de comprovação vacinal para garantir o acesso a certos espaços, serviços e mesmo empregos públicos, incluindo entrada a instituições de ensino e a possibilidade de criação de cartões seguridade social (Human Rights Watch, 2021; Smith e Mofokeng, 2021). As discussões também seguem a mobilização das forças armadas para imunizações mandatórias de indivíduos em áreas com maior risco de disseminação (Human Rights Watch, 2021; Chhengpor, 2021; Kimmarita, 2021).

O fator mais importante, todavia, é a aceitação social da vacina. Mesmo com doses garantidas, excelente planejamento ou um punho duro, nada é capaz de substituir uma população simpática a vacina. Ambos os governos passaram as últimas décadas perseguindo precisamente o aumento da aceitação e cobertura vacinais entre a população, simultaneamente preparando seus sistemas de saúde para aplicar essa grande dose de vacinas (Hutt, 2021; Dorji e Tamang). Não cabe dúvidas, portanto: a cobertura vacinal não deve ser entendida como atividade pontual, uma resposta pandêmica, mas sim preocupação constante por parte dos governos nacionais, de forma a construir uma população e um sistema prontos para responder suavemente em momentos de crise.

BIBLIOGRAFIA

BANCO MUNDIAL. The World Bank | Data, 2021. Urban population (% of total population) – Bhutan, World, Cambodia. Disponível em: <https://data.worldbank.org/indicator/SP.URB.TOTL.IN.ZS?locations=BT-1W-KH>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

BRIDGE. Bridge Beijing, 2021. China COVID-19 Vaccine Tracker. Disponível em: <https://bridgebeijing.com/our-publications/our-publications-1/china-covid-19-vaccines-tracker/>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

CHHENGPOR, A. Cambodia to Use Military for Mandatory Vaccinations in “Red Zones”. VOA Khmer, 2021. Disponível em: <https://www.voacambodia.com/a/cambodia-to-use-military-for-mandatory-vaccinations-in-red-zones-/5871321.html>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

DORJI, T.; TAMANG, S. T. Bhutan’s experience with COVID-19 vaccination in 2021. BMJ Global Health, v. 6, 2021. Disponível em: <https://gh.bmj.com/content/bmjgh/6/5/e005977.full.pdf>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

DREXLER, M. The Unlikeliest Pandemic Success Story: How did a tiny, poor nation manage to suffer only one death from the coronavirus?. The Atlantic, 2021. Disponível em: <https://www.theatlantic.com/international/archive/2021/02/coronavirus-pandemic-bhutan/617976/>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

FMI. International Monetary Fund, 2021. IMF-WHP COVID-19 Vaccine Supply Tracker. Disponível em: <https://www.imf.org/en/Topics/imf-and-covid19/IMF-WHO-COVID-19-Vaccine-Supply-Tracker>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

HUMAN RIGHTS WATCH. Cambodia: Vaccine Mandates Raise Rights Concerns. Human Rights Watch, 2021. Disponível em: <https://www.hrw.org/news/2021/10/26/cambodia-vaccine-mandates-raise-rights-concerns>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

HUTT, D. China Isn’t the Only Reason for Cambodia’s Vaccination Success. The Diplomat, 2021. Disponível em: <>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

KIMMARITA, L. Officials: Mandatory jab policy standard practice in pandemic. The Phnom Penh Post, 2021. Disponível em: <https://thediplomat.com/2021/11/china-isnt-the-only-reason-for-cambodias-vaccination-success/ >. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

NIT, B.; SAMY, A.; TAN, S.; VORY, S.; LIM, Y.; NUGRAHA, R.; LIN, X.; AHMADI, A.; LUCERO-PRISNO III, D. E. Understanding the Slow COVID-19 Trajectory in Cambodia. Public Health in Practice, v. 2, nov, de 2021, p. 1-3.

PNUD. COVID-19: Data Futures Platform, 2021a. Global Dashboard for Vaccine Equity: Vaccine Access. Disponível em: <https://data.undp.org/vaccine-equity/accessibility/>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

PNUD. United Nations Development Programme: Human Development Reports, 2021b. Latest Human Development Index Ranking. Disponível em: <http://hdr.undp.org/en/content/latest-human-development-index-ranking>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

REUTERS. Cambodia reopens to “new way of life” after beating COVID-19 vaccine target. Reuters, 2021. Disponível em: <https://www.reuters.com/world/asia-pacific/cambodia-reopens-new-way-life-after-beating-covid-19-vaccine-target-2021-11-01/ >. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

SCHIFFLING, S.; PHELAN, C. What the world can learn from Bhutan’s rapid COVID vaccine rollout. The Conversation, 2021. Disponível em: <https://theconversation.com/what-the-world-can-learn-from-bhutans-rapid-covid-vaccine-rollout-168341>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

SMITH, R.; MOFOKENG, T. [Carta aberta ao Governo do Reino do Camboja]. Destinatário: Governo do Reino do Camboja. Genebra, 4 de mai. de 2021. 1 carta. Referência: AL KHM 6/2021. Disponível em: <https://cambodia.ohchr.org/sites/default/files/othersource/Letter_SRs_Sub-Decree%20on%20Compulsory%20COVID-19%20Vaccination.pdf?fbclid=IwAR2DqtXY8uCBlXs7pNTZd0iW_AO47K_jZaCPzNp1vkcJdDXNxT6WGiHNBpg>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

STRAGIO, S. What Explains Cambodia’s Vaccine Distribution Success?. The Diplomat, 2021. Disponível em: <https://thediplomat.com/2021/09/what-explains-cambodias-covid-19-vaccine-distribution-success/>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

TATUM, M. Cambodia ends controversial COVID-19 restrictions. The Lancet, v. 397, n. 10289, mai. de 2021, p. 2035.

THE Economist. Bhutan vaccinated almost all its adults against covid-19 in a week. The Economist, 2021. Disponível em: <https://www.economist.com/graphic-detail/2021/04/08/bhutan-vaccinated-almost-all-its-adults-against-covid-19-in-a-week >. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

UNICEF. Bhutan receives 500,000 doses of COVID-19 vaccines through COVAX. UNICEF, 2021a. Disponível em: <https://www.unicef.org/bhutan/press-releases/bhutan-receives-500000-doses-covid-19-vaccines-through-covax>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

UNICEF. Cambodia’s vaccine programme is further strengthened by the arrival of cold chain equipment supported by Japan and UNICEF. UNICEF, 2021b. Disponível em: <https://www.unicef.org/cambodia/press-releases/cambodias-vaccine-programme-further-strengthened-arrival-cold-chain-equipment>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

UNICEF. UNICEF hails Bhutan’s successful completion of full COVID-19 vaccinations for 90% of the eligible population. UNICEF, 2021c. Disponível em: <https://www.unicef.org/rosa/press-releases/unicef-hails-bhutans-successful-completion-full-covid-19-vaccinations-90-eligible >. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

0 0 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin