Vacinação no Sul Global: analisando dois casos de sucesso, de Gabriel Alegria dos Santos Reis

15/11/2021
Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on whatsapp

Entre os estados membros da ONU, apenas 21 contam com mais de 70% de suas populações plenamente vacinadas contra o COVID-19 (PNUD, 2021a). Estes países têm um perfil bastante homogêneo: 18 estão classificados como tendo IDH muito alto, 16 tem PIB per capita acima dos US$25.000, 14 são membros da OCDE e 7 da União Europeia (PNUD, 2021b). Dois países nesta lista, entretanto, não se enquadram em nenhum dos critérios citados. Camboja e Butão, ambos países de IDH médio, PIB per capita baixo e limitada urbanização (PNUD, 2021a; PNUD, 2021b; Banco Mundial, 2021), encontraram enorme sucesso em seus programas vacinais, contando, respectivamente, com 78,03% e 72,56% de suas populações totalmente vacinadas (PNUD, 2021a). Sétimo e décimo-sexto membros da ONU com maior incidência vacinal, o próximo país de IDH médio em cobertura é somente o Marrocos, em distante 50º (PNUD, 2021a). É interessante, portanto, estudar como esses estados encontraram tamanho sucesso em seus programas vacinais, mesmo enfrentando inúmeros desafios.

Crucialmente, muito antes da aplicação de vacinas, os governos do Camboja e do Butão foram duros frente à pandemia. As medidas adotadas entre os dois países incluíram o fechamento de fronteiras; a suspensão certos serviços público e privados; quarentenas mandatórias para doentes e recém-chegados do exterior; lockdowns em regiões com alta nos casos; ampla testagem; e uma constante comunicação entre governo e cidadãos, a fim de reforçar a necessidade de certos cuidados e garantir acesso à informação segura e de qualidade (Drexler, 2021; Dorji e Prison, 2021; Dorjie e Tamang, 2021; Tatum, 2021; Chhengpor, 2021; Strangio, 2021; Nit et al., 2021). O controle da transmissão do vírus foi colocado no topo das prioridades políticas, alcançando-se resultados bastante positivos em termos numéricos e passando-se uma mensagem clara às populações. 

Essa postura resoluta se repetiu em dois momentos cruciais: na aquisição das vacinas e nos programas para aplica-las. O Primeiro Ministro cambojano, Hun Sen, escolheu cedo as vacinas chinesas Sinopharm e Sinovac, o que se mostrou acertado quando a China foi capaz de entregar rapidamente as 28,3 milhões de doses encomendadas, além de mais 6,3 milhões em doações bilaterais (Bridge, 2021; Hutt, 2021). Apesar de um orçamento limitado, o governo não hesitou em investir US$170 milhões nas encomendas chinesas, entrando cedo em uma fila que logo se congestionou (Hutt, 2021).

Com mais de 2,7 milhões em doações chinesas ainda a caminho, fica clara a relevância da política externa para a resolução de problemas domésticos. O maior receptor de doações vacinais chinesas, o Camboja passou os últimos anos investindo na relação com Beijing, tornando-se um de seus aliados regionais mais importantes – as doações vêm, naturalmente, como fruto dessa relação (Bridge, 2021; Hutt, 2021; Stragio, 2021). Em grau ainda mais intenso, quase todas as doses aplicadas no Butão são originárias de doações: são mais de 1.450.000 doses advindas da Índia, Dinamarca, China, Croácia, Bulgária e Estados Unidos – o último por meio da COVAX (Dorji e Tamang, 2021; UNICEF, 2021a; UNICEF, 2021c). Sem bons laços internacionais, a possibilidade de receber doações fica profundamente limitada.

Além disso, os dois governos distribuíram as doses recebidas de maneira efetiva. O Butão investiu em uma campanha com coordenação em multiníveis e respeitando os costumes budistas, hegemônicos no país. Teleconferências entre o governo central e líderes locais foram realizadas nos meses anteriores à data de vacinação, permitindo não só angariar dados preciosos para melhor coordenar a distribuição e aplicação de doses, mas também integrando-os plenamente ao planejamento, junto a oficiais de saúde distritais e profissionais de saúde das próprias comunidades, o que facilitou a aceitação da vacina entre as populações (Dorji e Tamang, 2021; Schiffling e Phelan, 2021).

No Camboja, o governo investiu em uma política dura e controversa, gerando inclusive críticas por parte da advocacy internacional. Diversas autoridades instituíram a necessidade de comprovação vacinal para garantir o acesso a certos espaços, serviços e mesmo empregos públicos, incluindo entrada a instituições de ensino e a possibilidade de criação de cartões seguridade social (Human Rights Watch, 2021; Smith e Mofokeng, 2021). As discussões também seguem a mobilização das forças armadas para imunizações mandatórias de indivíduos em áreas com maior risco de disseminação (Human Rights Watch, 2021; Chhengpor, 2021; Kimmarita, 2021).

O fator mais importante, todavia, é a aceitação social da vacina. Mesmo com doses garantidas, excelente planejamento ou um punho duro, nada é capaz de substituir uma população simpática a vacina. Ambos os governos passaram as últimas décadas perseguindo precisamente o aumento da aceitação e cobertura vacinais entre a população, simultaneamente preparando seus sistemas de saúde para aplicar essa grande dose de vacinas (Hutt, 2021; Dorji e Tamang). Não cabe dúvidas, portanto: a cobertura vacinal não deve ser entendida como atividade pontual, uma resposta pandêmica, mas sim preocupação constante por parte dos governos nacionais, de forma a construir uma população e um sistema prontos para responder suavemente em momentos de crise.

BIBLIOGRAFIA

BANCO MUNDIAL. The World Bank | Data, 2021. Urban population (% of total population) – Bhutan, World, Cambodia. Disponível em: <https://data.worldbank.org/indicator/SP.URB.TOTL.IN.ZS?locations=BT-1W-KH>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

BRIDGE. Bridge Beijing, 2021. China COVID-19 Vaccine Tracker. Disponível em: <https://bridgebeijing.com/our-publications/our-publications-1/china-covid-19-vaccines-tracker/>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

CHHENGPOR, A. Cambodia to Use Military for Mandatory Vaccinations in “Red Zones”. VOA Khmer, 2021. Disponível em: <https://www.voacambodia.com/a/cambodia-to-use-military-for-mandatory-vaccinations-in-red-zones-/5871321.html>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

DORJI, T.; TAMANG, S. T. Bhutan’s experience with COVID-19 vaccination in 2021. BMJ Global Health, v. 6, 2021. Disponível em: <https://gh.bmj.com/content/bmjgh/6/5/e005977.full.pdf>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

DREXLER, M. The Unlikeliest Pandemic Success Story: How did a tiny, poor nation manage to suffer only one death from the coronavirus?. The Atlantic, 2021. Disponível em: <https://www.theatlantic.com/international/archive/2021/02/coronavirus-pandemic-bhutan/617976/>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

FMI. International Monetary Fund, 2021. IMF-WHP COVID-19 Vaccine Supply Tracker. Disponível em: <https://www.imf.org/en/Topics/imf-and-covid19/IMF-WHO-COVID-19-Vaccine-Supply-Tracker>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

HUMAN RIGHTS WATCH. Cambodia: Vaccine Mandates Raise Rights Concerns. Human Rights Watch, 2021. Disponível em: <https://www.hrw.org/news/2021/10/26/cambodia-vaccine-mandates-raise-rights-concerns>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

HUTT, D. China Isn’t the Only Reason for Cambodia’s Vaccination Success. The Diplomat, 2021. Disponível em: <>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

KIMMARITA, L. Officials: Mandatory jab policy standard practice in pandemic. The Phnom Penh Post, 2021. Disponível em: <https://thediplomat.com/2021/11/china-isnt-the-only-reason-for-cambodias-vaccination-success/ >. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

NIT, B.; SAMY, A.; TAN, S.; VORY, S.; LIM, Y.; NUGRAHA, R.; LIN, X.; AHMADI, A.; LUCERO-PRISNO III, D. E. Understanding the Slow COVID-19 Trajectory in Cambodia. Public Health in Practice, v. 2, nov, de 2021, p. 1-3.

PNUD. COVID-19: Data Futures Platform, 2021a. Global Dashboard for Vaccine Equity: Vaccine Access. Disponível em: <https://data.undp.org/vaccine-equity/accessibility/>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

PNUD. United Nations Development Programme: Human Development Reports, 2021b. Latest Human Development Index Ranking. Disponível em: <http://hdr.undp.org/en/content/latest-human-development-index-ranking>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

REUTERS. Cambodia reopens to “new way of life” after beating COVID-19 vaccine target. Reuters, 2021. Disponível em: <https://www.reuters.com/world/asia-pacific/cambodia-reopens-new-way-life-after-beating-covid-19-vaccine-target-2021-11-01/ >. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

SCHIFFLING, S.; PHELAN, C. What the world can learn from Bhutan’s rapid COVID vaccine rollout. The Conversation, 2021. Disponível em: <https://theconversation.com/what-the-world-can-learn-from-bhutans-rapid-covid-vaccine-rollout-168341>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

SMITH, R.; MOFOKENG, T. [Carta aberta ao Governo do Reino do Camboja]. Destinatário: Governo do Reino do Camboja. Genebra, 4 de mai. de 2021. 1 carta. Referência: AL KHM 6/2021. Disponível em: <https://cambodia.ohchr.org/sites/default/files/othersource/Letter_SRs_Sub-Decree%20on%20Compulsory%20COVID-19%20Vaccination.pdf?fbclid=IwAR2DqtXY8uCBlXs7pNTZd0iW_AO47K_jZaCPzNp1vkcJdDXNxT6WGiHNBpg>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

STRAGIO, S. What Explains Cambodia’s Vaccine Distribution Success?. The Diplomat, 2021. Disponível em: <https://thediplomat.com/2021/09/what-explains-cambodias-covid-19-vaccine-distribution-success/>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

TATUM, M. Cambodia ends controversial COVID-19 restrictions. The Lancet, v. 397, n. 10289, mai. de 2021, p. 2035.

THE Economist. Bhutan vaccinated almost all its adults against covid-19 in a week. The Economist, 2021. Disponível em: <https://www.economist.com/graphic-detail/2021/04/08/bhutan-vaccinated-almost-all-its-adults-against-covid-19-in-a-week >. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

UNICEF. Bhutan receives 500,000 doses of COVID-19 vaccines through COVAX. UNICEF, 2021a. Disponível em: <https://www.unicef.org/bhutan/press-releases/bhutan-receives-500000-doses-covid-19-vaccines-through-covax>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

UNICEF. Cambodia’s vaccine programme is further strengthened by the arrival of cold chain equipment supported by Japan and UNICEF. UNICEF, 2021b. Disponível em: <https://www.unicef.org/cambodia/press-releases/cambodias-vaccine-programme-further-strengthened-arrival-cold-chain-equipment>. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

UNICEF. UNICEF hails Bhutan’s successful completion of full COVID-19 vaccinations for 90% of the eligible population. UNICEF, 2021c. Disponível em: <https://www.unicef.org/rosa/press-releases/unicef-hails-bhutans-successful-completion-full-covid-19-vaccinations-90-eligible >. Acesso em: 14 de nov. de 2021.

0 0 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin