Saúde das mulheres no Afeganistão, de Renata Quadros Augusto Pina

29 setembro 2021

Saúde das mulheres no Afeganistão, de Renata Quadros Augusto Pina

Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on whatsapp

O direito das mulheres à igualdade de acesso aos serviços de saúde é um elemento essencial do direito à saúde garantido pelo direito internacional. O Comitê das Nações Unidas sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, em seu comentário geral sobre o direito à saúde, declarou que:

A realização do direito das mulheres à saúde requer a remoção de todas as barreiras que interferem no acesso aos serviços de saúde, educação e informação, inclusive na área da saúde sexual e reprodutiva. Também é importante empreender ações preventivas, promotoras e corretivas para proteger as mulheres do impacto de práticas e normas culturais tradicionais prejudiciais que negam a elas todos os seus direitos reprodutivos.

O Fórum Econômico Mundial em 2021 classificou o Afeganistão em último lugar em seu índice de 156 países em ordem de seu nível de igualdade de gênero. A profunda desigualdade de gênero no país se reflete na tomada de decisões e nas estruturas de poder dentro das famílias com base na cultura e na lei que tornam mais difícil o acesso de mulheres e meninas aos cuidados de saúde. 

Uma das principais dificuldades é o acesso físico, pois as clínicas ficam muito distantes e as mulheres não conseguem se locomover por conta própria. Essa questão está relacionada ao fato de muitas famílias não permitirem as mulheres a ir às clínicas e às vezes os homens não deixam a parteira entrar em suas casas. Mulheres e meninas tem dificuldade obter até mesmo as informações mais básicas sobre saúde e planejamento familiar. Mulheres normalmente têm mais filhos do que gostariam devido à falta de acesso a métodos anticoncepcionais modernos. 

As mulheres e meninas muitas vezes não tem acesso até mesmo as informações mais básicas sobre seus corpos de que precisam para poder fazer escolhas informadas sobre sua saúde, incluindo escolhas reprodutivas. O estigma social contra a discussão de questões relacionadas à sexualidade contribui para isso, assim como as baixas taxas de educação e alfabetização entre mulheres e meninas.  Elas enfrentam gravidezes de risco devido à falta de cuidados. De acordo com estudo do KIT Institute, dedicado ao acesso global à saúde, em 2018, 41% das mulheres afegãs deram à luz em casa e 60% não receberam nenhum cuidado pós-natal. Isso implica 7.700 mulheres mortas durante o parto nesse mesmo ano, o dobro de civis mortos naquele ano devido à violência. 

Há uma particular preocupação com a falta de serviços de saúde mental, especialmente para mulheres. Globalmente, as mulheres têm maior probabilidade de apresentar algumas deficiências psicossociais comuns (problemas de saúde mental), como depressão e ansiedade. Mais da metade da população afegã, incluindo muitos sobreviventes de violência relacionada ao conflito, experimenta depressão, ansiedade e estresse pós-traumático, mas menos de 10 por cento recebe apoio psicossocial adequado do estado. Mulheres e meninas enfrentam barreiras específicas no acesso aos serviços. 

Um estudo de 1998 intitulado “Women’s health and human rights in Afghanistan”¹ entrevistou 160 mulheres afegãs de 17 a 70 anos. Após a ascensão do Talebã, 71% das mulheres relataram um declínio no estado de saúde física e 81% relatou declínio no estado de saúde mental, além de 62% relatar um declínio no acesso aos cuidados de saúde durante os anos de 1997 e 1998 morando em Cabul. Muitas das mulheres relataram sintomas que preencheram os critérios de diagnóstico para transtorno de estresse pós-traumático (42%), demonstraram evidências de depressão (97%) e tiveram sintomas de ansiedade significativos (86%). 

Os autores concluiram que o estado de saúde e direitos humanos das mulheres descrito nesse relatório sugere que os efeitos combinados de traumas relacionados à guerra e abusos de direitos humanos por oficiais do Talebã tiveram um efeito profundo na saúde das mulheres afegãs. Além disso, o apoio aos direitos humanos das mulheres por parte das mulheres afegãs sugere que as políticas do Talebã em relação às mulheres são incomensuráveis com os interesses, necessidades e saúde das mulheres afegãs. 

Em 2021, a retirada das tropas estrangeiras do Afeganistão já mostra indícios de afetar a saúde feminina a partir da diminuição dos fundos internacionais. O relatório “I Would Like Four Kids — If We Stay Alive”, da Human Rights Watch, documenta as barreiras para as mulheres e meninas afegãs obterem cuidados de saúde e a deterioração do sistema de saúde devido ao declínio do apoio internacional, que teme a situação com o Talibã. 

Nas últimas duas décadas, o governo afegão dependeu do apoio de doadores internacionais para financiar serviços essenciais, como saúde. Mas esse apoio de doadores vem caindo há anos e provavelmente continuará diminuindo. O governo afegão tem pouca disponibilidade no curto prazo para se mover em direção à autossuficiência, pois mais de 75% de seu orçamento vem de doadores internacionais. Em 2020, as receitas domésticas do país caíram 2,8% em comparação com 2019, devido em grande parte à desaceleração econômica da pandemia de Covid-19.

Oferecer melhores cuidados de saúde permitiria que muitas mulheres afegãs tivessem vidas mais longas e saudáveis. A prestação de serviços de saúde para mulheres e meninas permanece muito abaixo dos padrões internacionais, e o progresso em alguns indicadores-chave está estagnando ou retrocedendo. Essa precarização, no entanto, não pode ser atribuída apenas às ações do Talibã, mas também a dependência que criou-se da comunidade internacional que agora vira as costas para esse país.

Referências:

Rasekh Z, Bauer HM, Manos MM, Iacopino V. Women’s health and human rights in Afghanistan. JAMA. 1998 Aug 5;280(5):449-55.

MULHERES afegãs terão mais dificuldade no acesso à saúde. UOL, Dand, Afeganistão, 15 Jul 2021 . Disponível em: <https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/afp/2021/07/15/mulheres-afegas-terao-mais-dificuldade-no-acesso-a-saude.htm>. Acesso em: 27 de setembro, 2021.

BARR, Heather. I Would Like Four Kids-If We Stay Alive: Women’s Access to Health Care in Afghanistan. [s.l.] : Human Rights Watch, 2021.

0 0 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin