CNN Brasil: Recuperar sono perdido leva mais tempo do que se imagina, diz estudo

23/09/2021
Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on whatsapp

Sempre existem empecilhos. Quando adolescentes, queremos aproveitar o máximo possível jogando vídeo game ou usando redes sociais. Na faculdade, nunca há tempo suficiente para ler os textos. No trabalho, são planilhas, e-mails, apresentações urgentes que não podemos deixar pra amanhã. Os empecilhos para não dormir o tempo ideal são inúmeros. De alguns, realmente, não temos como fugir. Como não perder tempo no trânsito? Como dormir cedo se além de trabalhar tenho uma casa e família para cuidar? Realmente, vivenciamos fatores que nos atrapalham a descansar.  Entretanto, a notícia vinculada na CNN Brasil nos mostra o quão perigoso para a saúde das pessoas é deixar o sono de lado. Seja a curto prazo, perdendo memória e capacidades de reflexo, mas também a longo prazo, podendo desenvolver, por exemplo, pressão alta, depressão, paranoia e até derrame e, por isso, dormir menos que o necessário está sendo considerado, pelo Centro de controle e prevenção de doenças dos EUA, um “problema de saúde pública”. A situação fica ainda mais preocupante quando pensamos que quanto maior a situação de vulnerabilidade social do indivíduo, maior a chance de desenvolver tais doenças ligadas à falta do tempo ideal de descanso, já que sofre mais com o número de tarefas diárias, como as pessoas que precisam trabalhar em mais de um emprego para conseguir alimentar sua família, aquelas que não podem morar próximo do trabalho por conta dos aluguéis impossível de pagar com o salário que recebe e acabam passando horas no transporte público a caminho do emprego, e principalmente aquelas que não possuem segurança estrutural para que possam dormir tranquilas em suas casas. Enviado por Guilherme Affonso Salles Pereira

Notícia de Sandee LaMotte na CNN Brasil: https://www.cnnbrasil.com.br/saude/recuperar-sono-perdido-leva-mais-tempo-do-que-se-imagina-diz-estudo/

0 0 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin