Pomba não é um bicho, é um estilo de vida

11/10/2021
Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on whatsapp

Andar pelas ruas de uma cidade grande como São Paulo não sendo natural desse lugar faz reparar em duas coisas sobre a vida que as habita.
A primeira delas é a gente que atravessa essas ruas. Especialmente e infelizmente, muita gente com pressa, fome, medo, frio, cansada ao ir e mais ainda ao voltar do trabalho. Uma cortante tensão que se agravou com a pandemia, com a crise econômica e o desgoverno de Bolsonaro, óbvia nos pontos mais movimentados da cidade.
A segunda delas, o que pode parecer cômico para quem se acostumou demais com essas ruas, são os pássaros. As pombas (grandes) têm medo de pisar e de voar, comendo restos e sempre que oportuno a alguém, sendo chutadas para um outro canto. Não é segredo que uma população de pombas da proporção que a cidade de São Paulo abriga pode representar um risco sanitário grave para as pessoas, mas isso nada tem a ver com a linha de pensamento que tento aqui chamar a atenção para. A pomba é, sob o olhar impressionado de alguém que busca entender seus pequenos (ou grandes) desafios, um bicho que arranjou um jeito de sobreviver na cidade e nas ameaças que esse espaço representa para ele.
A charge publicada pela Folha de São Paulo, de Adão Iturrusgarai, faz pensar sobre qual vida é imposta a essa gente que caminha pela cidade. Não é segredo que o povo brasileiro tem desafios pela frente, assim como já teve em sua história. Mas andar com pressa, comendo o pouco que o salário muitas vezes curto é capaz de comprar e, sempre que oportuno ao seu próprio governo, sendo chutado para outro canto – é um estilo de vida com o qual o povo parece estar começando a se acostumar, e não deveria.

Enviado por Isabela Leiva Rosa

Charge de André Dahmer disponível na Folhahttps://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/cartum/cartunsdiarios/#9/10/2021
0 0 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin