Pandemia crônica, de Sonia de Castilho

20 outubro 2021

Pandemia crônica, de Sonia de Castilho

Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on whatsapp

“As Doenças Crônicas Não Transmissíveis são uma ameaça ao desenvolvimento.” A frase foi dita em 2010 pelo então secretário-geral da ONU Ban Ki-moon diante da assembleia geral da entidade. Mas, passados mais de dez anos, as doenças crônicas – doenças isquêmicas do coração, cerebrovasculares, diabetes, câncer, por exemplo – só fazem aumentar e atingem indivíduos cada vez mais jovens, em idade produtiva. São mais de 40 milhões de mortes todos os anos, das quais 15 milhões entre 30 e 69 anos – 85% em países de baixa e média renda.

Mesmo com a pandemia de Covid-19, as DCNTs continuam entre as principais causas de mortalidade. Mais: representam forte fator de risco para o desenvolvimento de formas graves da infecção pelo coronavírus, com alto índice de desfechos negativos. Estudo publicado na revista The Lancet Global Health no ano passado estimou que 22% dos indivíduos em todo o mundo têm risco aumentado de Covid-19 grave se infectado, como resultado principalmente de comorbidades (Clark et al, 2020).

Tomando como exemplo o diabetes – minha área de estudo e interesse: no Brasil, o Boletim Epidemiológico Especial do Ministério da Saúde, que contempla os dados da Covid-19 até 02 de outubro de 2021, coloca o diabetes presente em mais de 30% das mortes registradas. Estudo realizado pela CAPESESP (Caixa de Previdência e Assistência aos Servidores da Fundação Nacional de Saúde), entre março e dezembro de 2020, mostrou 57% mais óbitos pela Covid-19 entre os pacientes com diabetes. Nos Estados Unidos, o diabetes está presente em 40% das pessoas mortas pelo coronavírus.

Segundo estimativa de 2019 da IDF (International Diabetes Federation), existem 463 milhões de pessoas no mundo convivendo com o diabetes (1 em cada 11 adultos), número que triplicou nos últimos 20 anos. Até 2045, espera-se que a prevalência aumente em média 51%, sendo que o continente africano deve amargar uma elevação de 143% no número de casos da doença.

Nos últimos 20 anos, é certo que muita coisa melhorou no tratamento do diabetes. Mas não as desigualdades. Como a maioria das doenças, o diabetes atinge a todos, mas não têm uma distribuição democrática. No Brasil, 5º país do mundo em número de pessoas com diabetes, a prevalência da doença é maior (15,2%) entre os indivíduos com até 8 anos de escolaridade (Vigitel, 2020).

Piores são as evidentes dificuldades no acesso a medicamentos, insumos e cuidados necessários ao bom controle da glicemia. E assim 77% dos quase 17 milhões de brasileiros diagnosticados com diabetes não aderem ao tratamento (Faria et al, 2014). As populações de ambientes de baixa renda em todo o mundo são as que mais sofrem com a falta de disponibilidade de tratamento. Na África, 86% das pessoas com diabetes tipo 2 não têm acesso à insulina de que precisam. O subdiagnóstico também é frequente e global, mas nos países de baixa renda chega a quase 67%.

A pandemia de Covid-19 veio piorar esse quadro. Para atender às emergências e urgências geradas pelo coronavírus, boa parte dos recursos destinados às DCNTs foram redirecionados. Estudo da OMS revela que 75% dos países relataram interrupções significativas nos serviços de cuidado das doenças crônicas após o início da pandemia e 94% dos países relocaram funcionários que cuidavam de DCNTs para funções relacionadas à Covid-19. Os tratamentos para hipertensão e diabetes foram interrompidos em metade de todos os países.

A pandemia também trouxe isolamento, “quarentena”, o que se refletiu no estilo de vida das pessoas. O autocuidado foi negligenciado, com consequências negativas para aqueles com doenças crônicas. Piora na alimentação, maior consumo de bebida alcoólica, menor tempo de atividade física, redução das consultas e exames. É o que mostra a pesquisa O Impacto da covid-19 nas pessoas com diabetes no Brasil, conduzida por um grupo de instituições nacionais e internacionais lideradas pelo Fórum DCNTs (Fórum Intersetorial para Combate às DCNTs no Brasil)Os resultados: 29,81% admitem que passaram a comer mais no isolamento e um alarmante contingente de 59,5% dos entrevistados disseram ter reduzido parcial ou totalmente a prática de atividade física. Mais: 38,4% dos entrevistados adiaram as consultas médicas e/ou exames de rotina e 40,2% nem chegaram a marcar novas consultas desde que a pandemia começou.

Ainda não é possível mensurar o efeito de todo esse quadro sobre a saúde global. Mas mesmo os mais otimistas admitem que nos próximos anos haverá uma explosão nas doenças crônicas e suas consequências. E com o aumento na prevalência e descontrole das DCNTs, os indivíduos estarão menos saudáveis e, portanto, menos preparados para enfrentar futuras emergências globais de saúde.

Referências

Barone, MTU et al. The impact of COVID-19 on people with diabetes in Brazil. Diabetes Research and Clinical Practice, 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico Especial: Doença pelo Coronavírus – COVID-19 – 83. Outubro 2021. https://www.gov.br/saude/pt-br/media/pdf/2021/outubro/11/boletim_epidemiologico_covid_83.pdf

EBC (Empresa Brasil de Comunicação). Mortalidade pela covid-19 é 57% maior em pacientes com diabetes. https://radios.ebc.com.br/tarde-nacional/2021/04/mortalidade-por-covid-19-e-57-maior-em-pacientes-com-diabetes

Clark A et al. Global, regional, and national estimates of the population at increased risk of severe COVID-19 due to underlying health conditions in 2020: a modelling study. The Lancet – Global Health. Vol 8 August 2020. https://doi.org/10.1016/S2214-109X(20)30264-3

Faria HTG et al. Adesão ao tratamento em diabetes mellitus em unidades da Estratégia Saúde da Família. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2014;2:257-263.

Malta DC et al. Doenças crônicas não transmissíveis e mudanças nos estilos de vida durante a pandemia de COVID-19 no Brasil. REV BRAS EPIDEMIOL 2021; 24:

UPI. Study: Two in five people in U.S. who died of COVID-19 had diabetes. https://www.upi.com/Health_News/2021/07/15/diabetes-high-risk-condition-death/2781626314320/.

Vigitel Brasil 2020: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2020 . Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. Brasília: Ministério da Saúde, 2021.

World Health Organization. The impact of the COVID-19 pandemic on noncommunicable disease resources and services: results of a rapid assessment. Geneva: World Health Organization; 2020.

0 0 votes
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin