Epidemias (d)e miséria, de Marina Sujkowski Lima

17 novembro 2021

Epidemias (d)e miséria, de Marina Sujkowski Lima

Share on twitter
Share on linkedin
Share on facebook
Share on whatsapp

“Omolú mandou a bexiga negra para a cidade. Mas lá
em cima os homens ricos se vacinaram e Omolú era uma
deusa das florestas da África, não sabia destas coisas de
vacina. E a varíola desceu para a cidade dos pobres e
botou gente doente, botou negro cheio de chaga
em cima da cama” (Capitães da Areia, p. 187)

É assim que Jorge Amado, em sua obra Capitães da Areia, descreve a chegada da epidemia de bexiga – ou varíola – na cidade de Salvador, uma das passagens que mais me tocam na obra. Em meio a sua narrativa que conta a história miserável das crianças abandonadas do trapiche, o autor desvela os pontos de encontro entre pobreza e saúde, e também entre literatura e realidade. Durante nossas aulas de saúde global, em que discutimos como a saúde vai muito além de questões médicas e “biológicas”, não pude deixar de pensar na forma como a epidemia de varíola acomete a cidade baixa e sua população – preta, pobre e vulnerável – na ficção, e como se assemelha às epidemias e pandemias que vivemos hoje.

Em Capitães da Areia, Amado narra a vida de um grupo de crianças e adolescentes em situação de rua, abandonados pela família, pelo Estado, pela sociedade. Lutando para sobreviver num ambiente hostil, são todos expostos incansavelmente à violência e à morte, e vivenciam a chegada da tão temida varíola, chamada bexiga ou alastrim, entre os seus. Primeiro, assistem a adultos padecerem da doença. Depois, o menino Almiro é a vítima, amedrontando todos que compartilham sua moradia, o trapiche. O autor ressalta: os ricos, da cidadde alta, foram vacinados e se recuperam com mais facilidade. As crianças e todos os que circundam esse universo sofrem com mais um abandono, sem vacina, meios de prevenção, acesso à saúde, ou qualquer outro cuidado. Morrem e são embaladas em sacos e despejadas na vala comum mais próxima.

Fora das páginas de Amado, tratando de saúde global, a realidade é semelhante. Na epidemia de zika vírus, que atingiu o Brasil entre 2015 e 2016, oito em cada dez bebês (Géledes, 2016) com síndrome microencefálica tinham mães negras. Durante a epidemia de ebola, os países mais atingidos e com mais elevado grau de mortalidade foram países africanos de população majoritariamente negra e de baixa renda – vale lembrar que o ebola só recebeu verdadeira atenção internacional quando chegou à Europa. No caso mais recente, a pandemia de COVID-19, pessoas indígenas e negras têm duas vezes mais chance (CDC, 2020) de chegar ao óbito por conta do vírus nos Estados Unidos. No Brasil, de acordo com um estudo realizado em São Paulo, a taxa de mortalidade também é maior  (Brasil de Fato, 2021) entre pessoas negras e indígenas.

Assim como no romance, essas estatísticas não acontecem por acaso, seja a nível global ou na existência de emergências de saúde pública dentro de um país. Birn, Pillay e Holtz (2016) apresentam uma abordagem da economia política para a saúde e doenças, as quais seriam produzidas por estruturas sociais, políticas e econômicas. Doenças como diarréias, doenças tropiciais negligenciadas (malária, dengue, etc.) são resultado de privações e da situação de marginalização de certos grupos de pessoas. Já epidemias transnacionais, como o SARS, o HIV e o ebola, estão profundamente ligadas a padrões econômicos e sociais emergentes no mundo. Em Capitães da Areia, a varíola dizima a população preta e pobre da Bahia por, além de não terem acesso à vacina (lembrando que o SUS ainda não existia), estarem sujeitos a condições precárias e insalubres de vida, viverem aglomerados sem acesso a saneamento básico, sem conhecimento nem condições de se prevenir da doença. Nas epidemias reais, o cenário não muda. Usando como exemplo o coronavírus, a fase neoliberal do capitalismo global pela qual passamos enfraqueceu os sistemas de saúde públicos, empobreceu as populações e aprofundou desigualdades. O resultado disso já conhecemos.

Aprofundando ainda mais esse debate, há autores que apontam não apenas uma forte relação entre estruturas sociais e econômicas e a saúde, mas a intencionalidade de certas políticas e ausências como forma de apartheid sanitário, de eliminação de determinados grupos sociais ou étnico-raciais, de negligência consciente. Sobre o ebola, João Nunes (2016) observa a negligência e o apagamento da doença pela governança da saúde global, impedindo que esse problema, enfrentado principalmente por populações pobres e desprivilegiadas, fosse resolvido. A resposta dada por muitos países à COVID-19, chamada de “neoliberalismo epidemiológico” (FREY, 2020), cuja premissa era deixar que a doença se resolvesse sozinha a custo de milhares de vidas de pessoas mais vulneráveis, sem mencionar o apartheid sanitário vivido em países do Sul Global sem acesso às vacinas, também são claros exemplos. O romance de Amado escancara as desigualdades sanitárias que podem ser interpretadas como projeto de extermínio e eliminação de corpos marginais e indesejáveis. Por esse viés, nem todas as vidas valem o mesmo.

Como posto por Achille Mbembe (2020) sobre a pandemia de COVID-19, precisamos entender que respirar não é apenas um processo biológico, mas um direito universal de existência. Logo, não será mais possível delegar a morte a outros e escolher quem morre. Precisamos lutar pelo direito à respiração e à vida dos meninos do trapiche, das mães do zika, dos países africanos assolados pelo ebola, dos sufocados pela COVID-19. Também compreender que não basta uma apenas abordagem médica e biológica da saúde global, mas é necessário considerar as condições de existência de populações vulneráveis e as estruturas sociais e econômicas que as impedem de ter vidas dignas e saudáveis, e assim, finalmente, combater essas epidemias de miséria.

“E numa noite que os atabaques batiam nas macumbas,
numa noite de mistério da Bahia,
Omolú pulou na máquina da Leste Brasileira e
foi para o sertão de Joazeiro. A bexiga foi com
ela.” (Capitães da Areia, p. 210)

Referências bibliográficas

AMADO, Jorge. Capitães da Areia. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

BIRN, Anne-Emanuelle; PILLAY, Yogan; H.HOLTZ, Timothy. Textbook of Global Health. Nova York: Oxford University Press, 2017.

FREY, Isabel. “Her immunity” is epidemiological neoliberalism. The Quarantimes, 2020. Disponível em: https://thequarantimes.wordpress.com/2020/03/19/herd-immunity-is-epidemiological-neoliberalism/. Acesso em: 3 nov. 2021.

MBEMBE, Achille. The Universal Right to Breathe. Critical Enquiry, Chicago, v. 2, n. 47, p. 59-62, jul. 2021. Disponível em: https://www.journals.uchicago.edu/doi/pdf/10.1086/711437. Acesso em: 5 nov. 2021.

NUNES, João. Ebola and the production of neglect in global health, 2016. Third World Quarterly, 37:3, 542-556, DOI: 10.1080/01436597.2015.1124724.

5 1 vote
Article Rating
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin