Foco no Aedes pode invisibilizar determinantes sociais do zika

Agência Fiocruz de Notícias – André Costa

A presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima, e o pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz), Gustavo Corrêa da Matta, durante a apresentação ‘O impacto social da síndrome pós-zika’ (foto: Academia Brasileira de Ciências)

 

A epidemia do vírus zika no Brasil em 2016 teve determinantes sociais, como a desigualdade social e a ausência de saneamento básico, que correm o risco de ser invisibilizados caso o combate à doença foque-se exclusivamente no mosquito Aedes aegypti, afirmou a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima. A declaração foi concedida no simpósio Intervenção e diagnóstico precoces em malformações do neurodesenvolvimento pediátrico, onde Nísia fez a apresentação O impacto social da síndrome pós-zika, ao lado do pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz) Gustavo Corrêa da Matta.

“A forma de enquadrarmos uma doença, tanto em termos conceituais, quanto de perspectiva de terapia, tem impactos relevantes no combate a essa mesma doença. Quando se associa o zika exclusivamente ao Aedes aegypti, nosso olhar é guiado para determinada direção, o que invisibiliza uma série de questões que pesquisas têm mostrado como relevantes”, disse Lima.

Lima ressaltou que a maioria das famílias afetadas pertencem classes sociais desfavorecidas, vivendo em situação de precariedade. Segundo ela, motivou o “aprofundamento do debate sobre direitos reprodutivos e aborto no país, que ainda é uma questão-tabu na sociedade”.

A presidente da Fundação, que, ao lado do cargo, mantém a atividade como pesquisadora, exaltou a reação da comunidade científica ao desafio colocado pelo vírus zika,  levando a “avanços importantes no sequenciamento do vírus, no estabelecimento de seu mapeamento do vírus e também de seus determinantes sociais”.

Lima observou, entretanto, haver um vácuo entre o “conhecimento científico e a resposta de políticas de saúde para a epidemia e suas consequências”. Esta diferença, segundo ela, é recorrente no Brasil, onde “a resposta das políticas de saúde sempre esteve atrás do conhecimento científico”.

Para a pesquisadora, uma resposta à altura exigirá uma abordagem interdisciplinar, tanto do ponto de vista do desafio intelectual, quanto do desafio de saúde pública. Nesse sentido, o papel da Fiocruz, “por abrigar todas as áreas de saúde, da pesquisa biomédica à atenção da saúde, é imprescindível”.

Em adição à fala de Lima, o pesquisador da Ensp Gustavo Corrêa de Matta afirmou que ignorar “condições de vida, como saneamento, acesso a água e condições ambientais não são fatores menores. Focar-se unicamente no mosquito reduz bastante o problema”.

Matta elogiou o papel de institutos de pesquisa, como o Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz) e o Instituto Aggeu Magalhães (Fiocruz Pernambuco) que tiveram papel não só de pesquisa, mas também de assistência. O pesquisador também disse que um aspecto louvável no combate ao zika foi a “organização e participação de movimentos sociais no auxílio às famílias afetadas, com muitas pessoas diretamente envolvidas assumindo papel ativo nas pesquisas”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s