Trabalho tirou direito do homem moderno de ficar doente, afirma pesquisador

trabalhar-doente-gripe-1486660615508_615x300

Adoecer “[é] a forma de dar um tempo para o organismo se recuperar e até mesmo de preservar o grupo social de adoecer. Mas esse comportamento está cada vez mais reprimido nas sociedades modernas pela forma como a produtividade dos trabalhadores é encarada”, afirma Frederico Azevedo da Costa Pinto, especialista em patologia experimental e comportamento animal e pesquisador do Instituto de Estudos Avançados da USP.

Em seu projeto de pesquisa intitulado “Homem Moderno: Um Animal Privado Socialmente do Direito de Adoecer”, o autor relata que a crescente pressão por produtividade e cobrança por aparência saudável e forte tem levado indivíduos a recusarem período de descanso em casa, recorrendo à automedicação para não perder sua jornada de trabalho. Para o pesquisador, “[e]xpressar a doença, além de comportamento natural, favorece a recuperação do paciente”, e a supressão do direito de adoecer tem impedido esse processo.

Costa Pinto ainda considera em sua pesquisa os efeitos da desigualdade social na expressão do adoecer, uma vez que os incentivos à supressão do comportamento doentio variam de acordo com a ocupação e situação econômica dos indivíduos.

Com sua pesquisa, o autor critica os efeitos perversos da estrutura socioeconômica sobre a saúde: “Não faz sentido ter uma economia crescendo em detrimento da perda de liberdade individual e da saúde do indivíduo. De fato, precisamos repensar a cultura do crescimento, da industrialização, do mercado de consumo, do lucro. Crescer é uma cobrança em todos os grupos sociais e em todos os níveis. Mas o que cresce sem parar é tumor, é câncer”.

Anúncios

3 pensamentos sobre “Trabalho tirou direito do homem moderno de ficar doente, afirma pesquisador

  1. Muito interessante essa notícia, Andressa!
    Principalmente se analisarmos o trecho onde o pesquisador diz que “Existe uma ampla gama de estados emocionais alterados aparentemente associados com jornadas longas de trabalho, instabilidade, pressão para produtividade continuada e outros tantos parâmetros de demanda alta de comprometimento com com o emprego moderno. (…)Episódios de ansiedade, depressão e síndrome do pânico são frequentemente associados com o ambiente de trabalho e muitas vezes levam ao afastamento dele por muito mais tempo que doenças simples. (…)Caso ficasse evidente que o impacto de manter alguém trabalhando é mais prejudicial do que deixar essa pessoa repousar e faltar, seria mais fácil argumentar em favor de legislação que defendesse o direito das pessoas de expressar a doença na sociedade moderna.”

    Podemos fazer uma relação, então, entre essa notícia e outra postada também nesse blog (https://saudeglobal.org/2017/06/12/brasil-e-segundo-pais-que-mais-perde-dinheiro-com-a-depressao-no-trabalho/), que diz que o Brasil é o segundo país que mais perde dinheiro com a depressão no trabalho, cerca de R$ 206 bilhões.

    Embora a depressão no trabalho possa ser influenciada por outros fatores, como falta de perspectiva, é possível associar, em grande parte, esse quadro depressivo ao ritmo acelerado e às cobranças no ambiente de trabalho. Nesse cenário, muitas pessoas acabam assumindo mais responsabilidades do que podem dar conta e ficam esgotadas.

    Nesse sentido, muito do que o pesquisador Frederico Azevedo da Costa Pinto disse na notícia desse post pode ser comprovado. De fato, a alta pressão por produtividade, que faz com que as pessoas trabalhem mesmo doentes, pode levar a quadros depressivos ou de ansiedade, que são ainda mais prejudiciais, não só às pessoas afetadas, mas também às empresas, do que um simples resfriado.

  2. Oi Andressa e Sati! Gostei muito dessa reportagem, especialmente por evidenciar os efeitos da expansão do capitalismo na saúde, como no trecho abaixo:

    “[…] Ao contrário, países que tendem a jornadas de trabalho cada vez mais longas e à terceirização submetem o trabalhador a pressões cada vez mais absurdas, suprimindo o direito do indivíduo de adoecer, avalia. “O direito de ficar doente tende a se tornar inaceitável nessas sociedades, pois atendem a uma lógica que torna os indivíduos dispensáveis”, avalia.”

    Isso me lembrou de uma conversa que eu tive com a minha psicanalista essa semana, pois mesmo quem possui o “luxo” de ter um tempo de ócio, a meu ver essencial para a saúde, também é pego pela ideia da produtividade do capitalismo. Por exemplo, há quem se sinta culpado por no tempo livre não fazer algo “útil” ou “divertido”, de forma a realmente “aproveitar” esse tempo. No entanto, seguir um planejamento é totalmente contrário à ideia do ócio, já que é o período de se desligar do mundo e de si mesmo.

  3. Os fatos apresentados na notícia tornam-se latentes quando consideramos a situação atual brasileira de crise e desemprego. Além das já normalizadas pressões do mercado de trabalho para que seja realizado cada vez mais e mais rápido com cada vez menos, há a pressão de que, caso isso não ocorra, há outras pessoas tão ou mais qualificadas que estariam dispostos a realizar tais atividades e que, se por ventura o você fique desempregado, há uma grande dificuldade de realocação no mercado, principalmente para as pessoas mais velhas.
    Essa nova pressão reforça tal imposição de que “o trabalhador é obrigado ser saudável” e colabora para essa lógica de forçar o trabalhador a ser mais produtivo mesmo que isso custe sua saúde, seja trabalhando mais em suas funções ou seja acumulando funções daqueles que foram desligados da companhia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s