Órgão da ONU estima que custo social da zika pode alcançar R$ 5,6 bilhões

zika.jpg

A Coluna de Marcelo Leite, repórter da Folha, apresenta uma estimativa realizada pelo Pnud, que indica que a epidemia de zika no Brasil teria um elevado custo social no curto e longo prazos. Apesar de basear-se em modelos matemáticos questionáveis (uma das estimativas supõe que 73% da população seria infectada), a pesquisa alerta para custos que geralmente não são contabilizados pelo governo. A decisão recente de declarar o fim da emergência do zika, por exemplo, não reflete o custo social que as vítimas, o sistema de saúde e o país ainda terão de enfrentar. Isso sem contar o sofrimento incalculável dos doentes e seus familiares, já que esse valor, como aponta o colunista, não tem preço.

Veja a notícia na íntegra:

Quanto custaram ao Brasil a epidemia de zika e os casos resultantes de microcefalia e da síndrome de Guillain-Barré? Algo entre R$ 3,3 bilhões e R$ 5,6 bilhões entre 2015 e 2017 – nos melhores cenários.

Esse seria o custo só de curto prazo. Se incluídos os de longo prazo, como cuidados do sistema de saúde e da família com as crianças e os doentes, a conta subiria para um valor de R$ 14 bilhões a R$ 40 bilhões.

Ainda há o pior cenário. Neste caso, o país perderia um total de R$ 15 bilhões, no curto prazo, e R$ 142 bi, tudo somado, a perder de vista.

Esta última perspectiva é muito improvável. Ela supõe que 73% da população seria infectada, coisa que só se viu na Polinésia Francesa, ilhas com uma população diminuta, de cerca de 285 mil pessoas, concentrada num território homogêneo, que facilita a propagação do vírus.

As estimativas sobre o Brasil são do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). Em parceria com o Crescente Vermelho e a Cruz Vermelha, o órgão da ONU produziu o relatório “Avaliação do Impacto Socioeconômico do Vírus da Zika na América Latina e no Caribe”, que está disponível na internet em espanhol e em inglês.

Para a região toda, América Latina e Caribe, o custo de 2015 a 2017 subiria para algo entre US$ 7 bilhões (R$ 23 bilhões) e US$ 18 bilhões (R$ 59 bilhões). Isso considerando uma taxa de infectados na população de no máximo 20%.

Os autores do estudo puseram na conta vários tipos de gastos, como os realizados para diagnosticar e tratar pessoas com sintomas, assim como a assistência mais imediata aos bebês nascidos com microcefalia e a suas mães.

O custo maior, entretanto, desponta nos cálculos referentes ao longo prazo. Aqui o que mais pesa são os meses ou anos de trabalho perdidos pelos indivíduos afetados por sequelas cerebrais e o afastamento do mercado de trabalho, temporário ou permanente, de seus parentes –quase sempre as mães.

Evidentemente, o estudo não quantificou todo o sofrimento vivido pelos doentes e seus familiares. Isso, afinal, não tem preço.

Para o restante, há os gastos governamentais voltados a mitigar os efeitos sociais da epidemia (se não faltar dinheiro e se a burocracia conseguir fazer que ele chegue às mães).

O relatório registra em tom elogioso o pagamento, no Brasil, de um salário às famílias de crianças microcéfalas. Contudo, anota também que o valor corresponde a apenas um sexto do ônus real da perda de renda que recai sobre o domicílio.

Não têm faltado reportagens, por outro lado, sobre as agruras enfrentadas pelas mulheres pobres do Nordeste para obter o benefício –sem mencionar o difícil acesso a especialistas, como neurologistas, fisioterapeutas e fonoaudiólogos.

Isso tudo serve para que ponham as barbas de molho todos aqueles tomados de alívio quando o governo federal e a Organização Mundial da Saúde retiraram o status de emergência conferido à zika. Em realidade, o drama apenas começou.

Agora imagine quanto teria custado ao país controlar efetivamente o mosquito Aedes aegypti, coisa que nunca logrou fazer. Ninguém sabe ao certo quanto se gasta com dengue, chikungunya e febre amarela (igualmente transmitidos pelo Aedes), mas decerto será menos do que se despendeu até aqui.

Alguém precisa fazer essa conta.

 

Link para a notícia: http://www1.folha.uol.com.br/colunas/marceloleite/2017/05/1887891-orgao-da-onu-estima-que-custo-social-da-zika-pode-alcancar-r-56-bilhoes.shtml 

Enviado por Juliana César.

2 pensamentos sobre “Órgão da ONU estima que custo social da zika pode alcançar R$ 5,6 bilhões

  1. Muito interessante! Certamente a dúvida que fica é quem pagará esse custo, pois o cuidado com uma criança com microcefalia exige muito da família que a acolhe. Considerando o impacto financeiro direto, os custos adicionais com saúde podem pressionar o orçamento familiar ao ponto de empobrecer a família (são os denominados gastos catastróficos). Entre os custos indiretos, podemos citar a precarização do trabalho dos pais e especialmente das mães, que podem se afastar do mercado de trabalho ou aceitar trabalhar em condições desfavoráveis a fim de dar conta da criação da(o) filha(o). Realidade que é bastante preocupante quando consideramos que os afetados pelo vírus são predominantemente pessoas já em situações vulneráveis.
    O relatório elogia as políticas de redistribuição de renda, mas nós devemos ficar atentos a continuidade desses benefícios. Em tempos de cortes de gastos e reforma da previdência, incorrer em mais gastos em uma emergência que já “não existe” pode soar pouco promissor para o governo atual. Sugiro aqui a leitura de uma reportagem do nexo sobre a inclusão do Benefício de Prestação Continuada (BPC) na reforma da previdência. O BPC é uma alternativa de assistência à qual as famílias atingidas poderiam recorrer, no entanto, o governo considera restringir ainda mais o acesso.

    Matéria do nexo:
    O que é o BPC, um dos itens mais polêmicos da reforma da previdência

  2. Achei muito interessante o artigo e o estudo realizado pelo Pnud por trazerem elementos novos que nos fazem questionar o tom de normalidade proporcionado pela declaração do fim emergência nacional, apontando os custos sociais de curto e longo prazo da epidemia do vírus Zika. Entretanto, sempre tenho ressalvas quando me deparo com análises de “custo social” que se baseiam apenas em números e valores. Para mim, o custo social da epidemia de Zika e microcefalia no Brasil vai muito além das altas despesas do governo, ou daquilo que se deixará de arrecadar. Não podemos quantificar o sofrimento das mulheres em situação de vulnerabilidade que durante a gestação tiveram que conviver com a angústia psicológica de não saber se seu filho nasceria com algum tipo de malformação neurológica ou que, após o nascimento da criança, não contaram com amparo necessário por parte do governo, como o acesso, por meio da rede pública de saúde, à estimulação precoce e outros cuidados que seriam fundamentais para o desenvolvimento da criança.
    Também me causou certo incômodo que, no fim do texto, o autor passa a impressão de que a solução para que o poder público fosse tão afetado pelos altos gastos com a epidemia de Zika teria sido o efetivo controle do mosquito Aedes aegypti. A informação de que o país nunca logrou controlar o Aedes está equivocada: em 1948 o país realizou uma campanha bem sucedida de erradicação do mosquito, conseguindo eliminar a febre amarela urbana e impedir a circulação do vírus da dengue até 1981. O fato de o mosquito ter voltado a circular em território brasileiro após ter sido erradicado indica que o combate ao Aedes pode não ser o suficiente para enfrentar a Zika e outras viroses que tem o mosquito como vetor. A verdade é que o surto de Zika no Brasil está muito relacionado a nossas deficiências e desigualdades estruturais de saneamento básico e de saúde pública, e a única forma de efetivamente diminuir os custos sociais com a Zika e outras epidemias que assolam o país é investindo em políticas públicas que aprimorem esses serviços.

Deixe uma resposta para Heloísa P. R. de Castro Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s