‘Precisamos nos preparar para próximas epidemias’, diz candidato a diretor geral da OMS

tedros oms.jpg

Em maio, a Assembleia Mundial da Saúde, composta por 194 países, votará pela primeira vez no próximo Secretário Geral da OMS. Três candidatos foram selecionados pelo Comitê Executivo da Organização para concorrerem ao cargo. Um deles, o etíope Tedros Adhanom Ghebreyesus, o primeiros dentre os três selecionados, esteve recentemente em campanha no Brasil. Em entrevista ao jornal Estado, ele manifestou opiniões acerca de temas relevantes para a saúde global e a futura condução da OMS. Entre outras coisas, ele acredita que é necessário ampliar o financiamento dos países membros, a fim de garantir a independência da Organização.

Link: http://saude.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-nos-preparar-para-proximas-epidemias-diz-candidato-a-diretor-geral-da-oms,70001719093

Enviado por Juliana Cesar

Anúncios

Um pensamento sobre “‘Precisamos nos preparar para próximas epidemias’, diz candidato a diretor geral da OMS

  1. Realmente, a questão do financiamento da OMS pelos países membros tem sido um ponto que tem levantado muitas discussões, sobretudo após o episódio do Ebola; e me parece muito importante que os candidatos a Secretário Geral da OMS discutam esse assunto.
    A importância do tema é comprovada, por exemplo, pelo artigo de Tim K. Mackey, “The Ebola Outbreak: Catalyzing a ‘Shift’ in Global Health Governance?”, que pode ser encontrado no programa da disciplina de saúde global (2017), disponível aqui no blog: https://bmcinfectdis.biomedcentral.com/articles/10.1186/s12879-016-2016-y
    Em resumo, Tim demonstra como o episódio do Ebola ressaltou tanto uma fraqueza da habilidade da Organização Mundial da Saúde de liderar, coordenar e mobilizar uma resposta internacional efetiva à ameaça, quanto a necessidade de uma mudança na governança da saúde global. E a partir dessas constatações, apresenta recomendações oriundas de 4 comissões de alto nível, convocadas para avaliar a performance da OMS e a governança global da saúde após o Ebola. Suas recomendações são comparadas quanto a reformas internas na estrutura da OMS e com relação ao envolvimento da ONU na coordenação da saúde e emergências de saúde. Todas as comissões indicaram a necessidade de aumentar as contribuições à OMS, e algumas delas levantaram também a discussão sobre a necessidade de estabelecer um fundo para contenção de emergências.
    Indico fortemente a leitura aos que quiserem se aprofundar nesse debate!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s