Investimentos chineses, diamantes de Marange e ‘capitalismo militarizado’ no Zimbábue

Global Labour – Nas últimas duas décadas, a China tem vivido uma enorme expansão econômica global e uma constante busca por recursos para alcançar suas elevadas metas de crescimento. Isto convergiu com a adoção pelo Zimbábue da política econômica ‘Olhar para o Oriente’ em 2003, em seguida a um declínio com o Ocidente. Em consequência disto, têm havido investimentos chineses maciços em vários setores econômicos do Zimbábue, como mineração, telecomunicações, desenvolvimento de infraestruturas, agricultura e comércio varejista. Este texto examina a experiência de trabalhadores em investimentos chineses, a partir das jazidas de diamantes de Marange.

O potencial das jazidas de Marange foi descoberto em 2006 após a pouco ortodoxa retirada da licença de lavra da empresa britânica African Consolidated Resources (ACR) devido a uma piora nas relações entre Zimbábue e Reino Unido (Sokwanele, 2011).

Capitalismo ‘militarizado’
O Zimbábue descobriu sua maior jazida de diamantes quando estava submetido a sanções da União Européia e dos Estados Unidos. Questões políticas subjacentes e os entraves jurídicos representavam impedimentos à atração de investidores. Assim, o regime foi forçado a adotar um modelo militarizado de capitalismo, ou seja, um sistema de exploração mineral controlado pelos militares e seus associados. Este modelo de relações trabalhistas não é receptivo a sindicatos independentes. Para iniciar as operações mineradoras em Marange, o governo criou uma subsidiária intimamente ligada às Forças de Defesa do Zimbábue (ZDF) por meio de uma entidade para-estatal, a Companhia de Comercialização Mineral do Zimbábue (MMCZ) (ibid). Este foi o início da militarização das operações de mineração de diamantes em Marange, e tem implicações nas relações trabalhistas que evoluíram a partir de então.

Nossa pesquisa de campo mostrou que o processo de trabalho dos investidores chineses, ao contrário de outros investidores, se baseia no controle direto e em técnicas Tayloristas projetadas para limitar o escopo da força de trabalho por meio de uma supervisão próxima e da minimização da responsabilidade dos trabalhadores.[1]

Todas as sete empresas mineradoras atualmente em atividade no local ou são joint ventures ou são alinhadas às ZDF, incluindo dois investimentos chineses: a Anjin, uma joint venture entre a Matt Bronze Limited, e a Jinan, empresas por sua vez ligadas às forças armadas chinesas (Gagare, 2015). Os dirigentes chave destas empresas são primordialmente altos oficiais da ativa ou da reserva das forças armadas do Zimbábue e da China. Nós focamos nossas entrevistas em dois investimentos chineses. A Anjin é a maior mineradora do Zimbábue em termos de produção. Ela também adotou a forma militarizada de capitalismo e de relações de trabalho. Ao menos 10% dos trabalhadores são chineses, incluindo os seguranças e separadores de diamantes. A China é o único país estrangeiro tacitamente isentado das leis de imigração que restringem a importação de trabalhadores não especializados.

Trabalhadores locais são recrutados por intermédio das estruturas provinciais e distritais do partido governante ZANU-PF (União Nacional Africana do Zimbábue – Frente Patriótica), conforme decreto de seu Politburô. Logo, o recrutamento desconsidera qualquer forma de mérito, o que abre as portas para a corrupção. Os trabalhadores entrevistados revelaram que empregos são obtidos por meio das redes corruptas do partido governante, que exigem propinas de até US$ 300.[2]

A Anjin e a Jinan empregam aproximadamente 500 trabalhadores cada nos momentos de pico, sendo 80% deles oriundos dos vilarejos locais e adjacentes. Eles foram parcialmente proletarizados, já que mantêm laços com o modo de vida camponês. A Anjin e a Jinan pagam os salários mais baixos (US$ 300, ao passo que a Mbada paga US$ 1000) e têm as relações trabalhistas mais coercitivas, que chegam a incluir punição corporal. O supervisor é quem concede (arbitrariamente) a licença médica. O trabalho é dividido em dois turnos de 12 horas por dia, por um mínimo de 19 e um máximo de 26 dias consecutivos. Os trabalhadores alegaram que não recebem hora extra, e são chamados sem aviso prévio para trabalhar até em dias de descanso, assim violando a Lei do Trabalho, que diz que para cada sete dias de trabalho contínuo deve haver pelo menos um de descanso. O serviço de fiscalização do trabalho sabe destas violações, mas não demonstra entusiasmo em obrigar as empresas a cumprir a lei.

Um informante afirma: “Não há empregos permanentes nas minas de Marange; todo mundo tem contrato por tempo determinado”. Portanto, o trabalho é precário e a taxa de rotatividade é muito alta. Os trabalhadores são perseguidos e as demissões são arbitrárias. Existem contratos iniciais de 3 meses de duração que podem ser estendidos por até um ano, e aí o ciclo recomeça, dependendo de trabalho duro e bom comportamento. Estas disposições não são compatíveis com a Constituição do Zimbábue ou com a Lei do Trabalho, que limita a precarizacão.

Formas coloniais de controle da mão de obra nas minas de Marange têm se reproduzido nos alojamentos segregados por sexo. Este sistema aumenta a produtividade e reforça a vigilância contra pequenos furtos. De acordo com a nossa pesquisa, os patrões percebem os alojamentos como um método de controle e uma maneira de forçar a proletarização, que é resistida pelos trabalhadores. Dessa resistência resulta a baixa taxa de ocupação dos alojamentos.

Sindicatos e greves
O Zimbábue é signatário das Convenções 98 e 87 da OIT, que protegem o direito à sindicalização e à negociação coletiva. Contudo, nem sempre tal proteção se efetiva na prática. As empresas chinesas estão acostumadas a um contexto nada receptivo a sindicatos independentes e tentam reproduzir isto no exterior. Entretanto, isto não tem impedido a sindicalização pela base.

Em 2009 e 2010, duas empresas chinesas enfrentaram greves por melhores salários e condições de trabalho. Todos os trabalhadores dos quais se suspeitava que tivessem ligações com sindicatos (no caso o Sindicato Nacional dos Mineiros do Zimbábue e o Sindicato dos Mineiros Associados do Zimbábue) foram demitidos, e os sindicatos entraram em colapso em seguida. De acordo com os trabalhadores entrevistados, incidentes violentos entre trabalhadores locais e chineses são comuns nas duas minas, e frequentemente não são noticiados.

Que outras razões explicam o fracasso sindical? Primeiramente, a jazida de diamantes é uma zona protegida nos termos da Lei de Áreas Protegidas, portanto sob vigilância 24 horas pelas ZDF e pela polícia. Os sindicatos não têm acesso aos locais de trabalho. O único sindicato que indiretamente tem uma presença lá é o não confiável Sindicato dos Trabalhadores em Diamantes e Aliados do Zimbábue (ZDAWU). Outros sindicatos, dos quais se tem a percepção de serem alinhados ao partido político de oposição, foram excluídos. O ZDAWU funciona fora da mina, no centro de negócios mais próximo (um resort de águas termais). Trabalhadores entrevistados sublinharam o fato de que embora o novo sindicato tenha aberto um escritório perto de seus lares e local de trabalho, eles não tinham liberdade de interagir com ele. Um trabalhador explicou:

Temos rígidas instruções para não nos envolvermos com o sindicato. Todos que se envolveram com o sindicato foram demitidos. Não posso me arriscar. Do contrário perderei meu emprego.[3]

Os sindicatos que foram excluídos alegam que o ZDAWU é um sindicato inescrupuloso. Seu surgimento reflete a fragmentação e letargia que caracterizam o movimento sindical no país.

Nossa pesquisa nas jazidas de diamantes de Marange sugere que embora os trabalhadores do Zimbábue tenham direitos sindicais, esta nem sempre é a prática. As mineradoras de diamantes chinesas reconfiguraram esta realidade e produziram um contexto esvaziado de sindicatos independentes na lógica do modelo capitalista militarizado. A enganação levada a cabo por estas empresas não se limita à subversão dos direitos sindicais. Trabalhadores entrevistados citaram numerosas violações de normas de saúde a segurança no trabalho. Na Anjin, por exemplo, os trabalhadores não tinham EPIs[4] adequados até um dia antes de uma inspeção marcada pelo Kimberley Process[5] (KP). Um trabalhador lamentou:

Sempre trabalhamos sem sapatos de segurança… A empresa fornecia sapatos de lona. Contudo, para a nossa surpresa, um dia os gestores nos deram EPIs adequados. Somente mais tarde nos demos conta de que isto se deveu à vinda dos inspetores da KP no dia seguinte.

Outro trabalhador teve um colapso porque não estava usando os EPIs adequados. A gerência instruiu seus colegas a porem os EPIs adequados nele antes da chegada da ambulância, de modo a ocultar a causa do acidente.

Conclusão
As mineradoras de diamantes de Marange se beneficiam de um capitalismo militarizado caracterizado por um regime de trabalho coercitivo e pela violação dos direitos dos trabalhadores (particularmente a liberdade de sindicalização e o direito à negociação coletiva). Estas empresas fazem declarações de intenções ou subvertem as leis trabalhistas e convenções da OIT (ou respeitam-nas apenas para consumo externo) com impunidade quase total. A admissão do Zimbábue ao KP implica dizer que o capital internacional também é cúmplice deste processo. Procuramos ilustrar como tanto as empresas chinesas quanto os trabalhadores são alinhados a diferentes elites e redes da ZANU-PF, com fins diferentes. Para as empresas, a aliança com a ZANU-PF visa garantir acesso, ao passo que para trabalhadores comuns ela representada seu sustento. Isto gera uma relação exploradora pela qual ninguém se responsabiliza.

Entretanto, a organização coletiva dos trabalhadores em Marange não se dissipou permanentemente. Ela está em crise e é pouco consistente, mas existe, como ficou demonstrado pelas greves organizadas pelos trabalhadores exigindo melhores condições de trabalho. Contudo, isto não pode se atribuir apenas ao capitalismo militarizado, mas reflete parcialmente a atual fragmentação sistêmica, letargia e crise dos sindicatos do Zimbábue.

[1] Pesquisa de campo, 16-29 de dezembro de 2014.
[2] Entrevista de campo, 27 de novembro de 2014.
[3] Entrevista de campo, 27 de novembro de 2014.
[4] Equipamento de Proteção Individual.
[5] Criado para barrar o comércio de diamantes oriundos de regiões conflagradas.



Dr. Crispen Chinguno é pesquisador (Sociologia) do instituto Sociedade, Trabalho e Desenvolvimento (SWOP) da Universidade de Witwatersrand, ex-aluno da GLU, e fundador e co-diretor do Instituto de Pesquisa Sócio-Econômica e do Trabalho do Zimbábue (ZISELaR).

Taurai Mereki é fundador e co-diretor do Instituto de Pesquisa Sócio-Econômica e do Trabalho do Zimbábue (ZISELaR), Pesquisador Sênior e ex-aluno da GLU da Universidade de Witwatersrand.

Nunurayi Mutyanda é Pesquisador do ZISELaR e ex-aluno da GLU da Universidade de Witwatersrand.


Referências
Gagare, O. (2015), Tension as bigwigs resist diamond merger.

Sokwanele (2011), The Marange diamond fields of Zimbabwe: an overview.

Zimbabwe Independent (2012), Matt Bronze ‘front firm for military’.


As opiniões expressas nesta publicação não necessariamente refletem as da Fundação Friedrich Ebert.


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s