Revista Radis de maio debate as dimensões da intolerância

radis_152_capa_maio2015_gInforme ENSP – A intolerância está na origem e é sintoma da barbárie. Essa é a questão que traz a edição n°152 de maio de 2015 da Revista Radis, que está disponível on-line. O editorial assinado pelo editor-chefe da publicação, Rogério Lannes, indica que essa atitude “encontra terreno fértil no conservadorismo e visões reacionárias que ganham hegemonia no mundo de hoje. Mas também em qualquer ambiente em que pessoas, instituições ou grupos sociais, religiosos e políticos se julguem donos da verdade ou melhores do que os demais. É fruto da combinação de ignorância com arrogância, de se supor certo mesmo imerso na desinformação. Intolerância afeta diretamente a saúde das pessoas e é um problema que diz respeito ao Estado e a toda a sociedade.” A matéria de capa faz uma reflexão sobre as dimensões da intolerância e considera que o antídoto dela está na liberdade para o exercício de direitos e no respeito à diversidade. O respeito é uma opção, uma postura deliberada que permite o encontro dialógico com o Outro, como defendia o filósofo Martin Buber, cuidar e ser cuidado, como insiste o teólogo Leonardo Boff, disse o editorial.
Em entrevista à revista, Boff disse que pessoas que enxergam apenas a sua própria verdade tendem a acreditar que os outros não merecem respeito, devendo ser marginalizados, combatidos, perseguidos e eventualmente eliminados. Ele endossa a ideia de que a intolerância nasce e cresce com a incapacidade de se conviver com o diferente – seja alguém de outra classe social, de outra etnia, de outra orientação sexual, de outra religião e até de outro partido político – mas também demonstra a fragilidade da cultura democrática, já que esta parte do pressuposto de que todos são portadores de direitos, gozam de igualdade diante das leis e são participantes da sociedade.
A falta de educação política também é um fator que favorece a intolerância, analisa o psicólogo social Fábio Belloni, professor da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP/USP) na reportagem. Para o pesquisador, que também é diretor da Associação Brasileira de Saúde Mental (Abrasme) e integrante do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Saúde Mental e Atenção Psicossocial da ENSP, a ausência de formação para a cidadania impede que as pessoas conheçam, valorizem e exerçam seus direitos mais básicos, como educação, saúde e moradia, e também aqueles ligados ao exercício de sua singularidade, como liberdade religiosa e livre orientação sexual. Esta carência, acrescenta ele,  se reflete em uma sociedade onde indivíduos são determinados a desempenhar papéis sociais definidos, e que não admite a divergência e desvaloriza a diversidade.
O sociólogo e cientista político Gustavo Venturi, professor do departamento de Sociologia da USP, concorda que o conceito de tolerância carrega uma carga negativa, por estar ligado à ideia de imposição e não à de vontade. Ele aposta na valoração da diversidade, como algo que é benéfico para a vida em sociedade. “A convivência é vaga, o respeito trabalha com igualdade recíproca, mas a diversidade enriquece nossa convivência, nossas perspectivas e nos torna seres humanos mais plenos. Ou seja, faz bem à saúde mental e física”.
Outra matéria que a Radis apresenta nessa edição aborda a aprovação do projeto de lei que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos de idade, sob protestos dos que defendem os direitos de crianças e adolescentes. O projeto de lei de 1993 foi tirado da gaveta pela Câmara dos Deputados e ganhou força, espalhando ameaças de retrocesso na proteção dos direitos das crianças e dos adolescentes.
Para o representante do Unicef no Brasil, Gary Stahl, entrevistado pela revista, “é perturbador que o país esteja tão preocupado em priorizar a discussão sobre punição de adolescentes que praticam atos infracionais registrados ocasionalmente, quando torna-se tão urgente impedir assassinatos brutais de jovens cometidos todos os dias”. O discurso de Stahl  se baseia em dados que demonstram que majoritariamente, em vez de autores de atos de violência, os adolescentes brasileiros são vítimas do crime. O Brasil é o segundo lugar no mundo em número absoluto de homicídios de adolescentes, atrás somente da Nigéria, com mais de 33 mil mortes de pessoas entre 12 e 18 anos no período de 2006 a 2012. Os homicídios representam 36,5% das causas de morte, por fatores externos, de adolescentes brasileiros, enquanto para a população total correspondem a 4,8%. “As vítimas têm cor, classe social e endereço. Em sua grande maioria, são meninos negros, pobres, que vivem nas periferias das grandes cidades”, reforçou Stahl à Radis.
Acesse essas e outras matérias na íntegra na Radis de número 152.
Anúncios

Um pensamento sobre “Revista Radis de maio debate as dimensões da intolerância

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s